Erro da base de dados do WordPress: [Got error 28 from storage engine]
SHOW FULL COLUMNS FROM `wp_options`

Erro da base de dados do WordPress: [Got error 28 from storage engine]
SHOW FULL COLUMNS FROM `wp_options`

CADA > Projeto > Hands On Azores - Centro de Artesanato e Design dos Açores

Erro da base de dados do WordPress: [Got error 28 from storage engine]
SHOW FULL COLUMNS FROM `wp_options`

en-US

Hands On Azores

Hands On Azores - PR_Imagem Portal Governo_Final

 

O Fórum Artes e Ofícios – Pensar o Fazer gera discussão sobre o reconhecimento e a valorização contemporâneos das artes e ofícios vernaculares. Durante dois dias, reúne artesãs, artesãos e outros criativos para uma partilha de experiências e conhecimento sobre a sustentabilidade do saber fazer artesanal a nível económico, cultural e social.

Hands on Azores é uma iniciativa promovida pela Secretaria Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego através do Centro de Artesanato e Design dos Açores que integra o Fórum Artes e Ofícios – Pensar o Fazer com curadoria Origem Comum e a Missão Empresarial Hands On Azores com coordenação da BÉHEN.

Descrição

Durante dois dias profissionais de diferentes áreas ligadas à produção artesanal e à moda vão partilhar experiências e conhecimento, com o objetivo de conhecermos melhor as especificidades de cada um destes setores e descobrirmos pontes que se possam estabelecer entre estes dois universos económicos, culturais e sociais. Nesse sentido, este Fórum parte das artes têxteis para debater os desafios contemporâneos que se colocam a todo o sector das artes e ofícios.

O evento toma a forma de fórum porque se pretende que as intervenções dos oradores convidados abram espaço à participação da plateia, que pode e deve expor a sua opinião. O Fórum estará organizado por Temas, cada um com quatro oradores convidados. No final das apresentações de cada Tema, haverá lugar a uma mesa-redonda para que os oradores debatam entre si e com a plateia os assuntos em questão. Cada mesa-redonda será conduzida por um moderador que irá apresentar os oradores, introduzir o assunto, lançar questões à mesa e mediar as perguntas e opiniões dos oradores e da plateia.

 

Destinatários

  • Artesãs e artesãos.
  • Unidades Produtivas Artesanais (artesãos que são empresários em nome individual e empresas artesanais).
  • Designers e agentes das indústrias criativas.
  • Profissionais, investigadores e especialistas ligados ao setor da moda e das artes e ofícios.
  • Entidades, instituições e técnicos da área da cultura e do património.
  • Todos os que se interessem por esta área de atuação.

Calendário

2 e 3 de junho de 2023

Local

Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada
Ilha de São Miguel

Objetivos estratégicos

  • Compreender a relevância contemporânea das Artes e Ofícios tradicionais e a sua universalidade;
  • Discutir a viabilidade das Artes e Ofícios existentes nos Açores (produção, comercialização, procura e oferta);
  • Entender as vantagens e benefícios da produção e do produto artesanal em relação à versão industrial.
  • Perceber os desafios com que se deparam as empresas e os designers quando decidem integrar a produção artesanal no seu trabalho.
  • Perceber os desafios com que se deparam as UPAs e os artesãos que recorrem a designers para expandir e melhorar o seu trabalho.
  • Analisar as formas de trabalho e os processos de produção das empresas num e noutro setor;
  • Pensar a sustentabilidade económica, social e ambiental como componente integrante do ciclo de vida do produto artesanal;
  • Discutir a importância da formação e capacitação de novos artesãos para a sustentabilidade do setor do artesanato, dando continuidade às técnicas artesanais que tendem a desaparecer e renovando e dinamizando o setor através de uma prática empreendedora que valorize a tradição e, com base nela, procure a inovação e o crescimento sustentável das empresas artesanais;
  • Compreender como criar uma relação saudável entre estes dois setores de forma a que novas parcerias possam contribuir efetivamente para a continuidade de técnicas ancestrais em risco de desaparecimento e para a sustentabilidade das microempresas artesanais.
  • Deixar desenhadas propostas que abram caminho a que o artesanato e os artesãos beneficiem com as parcerias com marcas e designers que operem num mercado que procura produtos de qualidade, exclusivos, originais e, acima de tudo, autênticos.

 

PROGRAMA

2 DE JUNHO | 6.ªfeira
9h30 – Acreditação
ABERTURA
Local: Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada

10h00 – Álbio Nascimento e Kathi Stertzig, Origem Comum, Curadores

 

10h10 – Maria João Carreiro, Secretária Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego

 


TEMA I
Quão relevante é o saber fazer ancestral/tradicional para o mundo contemporâneo?

A produção artesanal tradicional propõe uma relação equilibrada com a paisagem natural, sobretudo pelo uso consciente do conhecimento antigo e dos recursos existentes. Da escala humana de produção, às escolhas ecológicas e à economia circular, as atividades artesanais continuam a propor uma tomada de consciência perante algumas das questões prementes do nosso tempo.
Como é que estes valores podem ser úteis hoje?

Local: Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada

PAINEL
10h30 – Martín Azúa | Espanha

10h50 – Renato Imbroisi | Fundação Imbroisi | Brasil

11h10 – Célia Macedo | Célia Macedo Ceramics | Portugal

11h30 – Guida Fonseca | Portugal

11h50 – Debate Q&A

Moderação: Álbio Nascimento

12h30 – PAUSA PARA ALMOÇO

 

TEMA II
Quais os desafios da relação entre a indústria e a produção artesanal?
Missão Empresarial Hands On Azores

Em abril, o CADA desafiou três marcas de moda e três Unidades Produtivas Artesanais a participarem na Missão Empresarial Hands On Azores, iniciando um processo de pesquisa, experimentação e desenvolvimento de propostas que abrisse caminho para que algumas técnicas e produtos certificados dos Açores viessem a integrar coleções futuras. Neste painel, refletimos e debatemos sobre as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças de possíveis parcerias entre estes dois setores.

Local: Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada


PAINEL


14h30 – Luísa Cordova Wandscheer | Colville | Itália

 Cooperativa de Artesanato Senhora da Encarnação da Ribeira do Nabo | São Jorge

14h50 – Aina Carafí Navarro | Shrimps | UK

João Pereira e Filhos | Terceira

15h10 – Maria Estrada Galmez | Casa MariCruz | Espanha

 Casa de Trabalho de Nordeste | São Miguel

15h30 – Joana Duarte | Béhen | Portugal

15h50 – Debate + Q&A

Moderação: Alexandra Ávila Trindade | CADA
21h30 – CINEBAR
Local: a anunciar

Projeção de filmes
Seguida de conversa informal.

Série Designers do Brasil:
Episódio “Renato Imbroisi”
Episódio “Heloisa Crocco”

Seguida de conversa informal
3 DE JUNHO | SÁBADO
TEMA III
Como é que o “feito à mão”, a origem cultural ou a produção ética e ecológica se transformam em sustentabilidade económica para uma atividade/empresa artesanal?

A produção artesanal tem inúmeros benefícios para o ambiente e para a economia, para a coesão social e para o desenvolvimento cultural. Artesãos, unidades produtivas artesanais e entidades recorrem a todos estes argumentos para promover produtos e serviços locais junto dos consumidores, nem sempre com sucesso.
Como se transforma essas mais-valias sociais, culturais e ecológicas em valor comercial?

Local: Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada

 

PAINEL

10h00 – Helena Loermans | Lab O | Portugal

10h20 – Alícia Roselló | Duduá / Talleres Nomadas | Espanha

10h40 – Paula Lourenço | CRIAR | Portugal

11h00 – Josiane Masson | Artesol | Brasil

11h20 – Debate Q&A

Moderação: Álbio Nascimento e Kathi Stertzig

12h30 – PAUSA PARA ALMOÇO

14h30 – Vídeo – Contribuições para as Oficinas de Reflexão

Local: Auditório da BPARPD

15h30 – Pausa para café

 

16h00 – OFICINAS DE REFLEXÃO: Redes de valor e conhecimento

Como garantir a continuidade das práticas artesanais locais? Quais os modelos alternativos de negócio, de partilha de conhecimento e de trabalho em rede?

Os participantes serão organizados por grupos, segundo temas específicos como o valor comercial, o património cultural e a inovação social. Através de um jogo de perguntas e respostas (individuais e coletivas) serão geradas propostas concretas de preservação e promoção das artes locais.

Local: Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada
GRUPO 1 – Organização em rede
Moderado por Josiane Masson

— Quais são os valores da produção artesanal?
— Que vantagens há na cooperação entre artesãos?
— Quais os problemas que só podem ser resolvidos pela colaboração e trabalho em rede?
— Colaboração Vs Competição, quem ganha?

GRUPO 2 – Valor ancestral na sociedade de consumo atual
Moderado por Célia Macedo
— Quais são os valores da produção artesanal?
— Como é que a sustentabilidade do produto artesanal tradicional (saber fazer ancestral, a habilidade manual e a aplicação inteligente dos recursos naturais) encontra sentido na sociedade de consumo atual?
— Quais qualidades que diferenciam os produtos artesanais dos industriais?
— Que vantagens e benefícios podem trazer os produtos artesanais tradicionais ao quotidiano de hoje?

GRUPO 3 – Viabilidade económica das práticas artesanais
Moderado por Renato Imbroisi
— Quais são os valores da produção artesanal?
— “Feito à mão” é sinónimo de sustentabilidade?
— Qual o valor real do produto artesanal?
— Como transformar esse(s) valor(es) em viabilidade financeira de um negócio?
17h00 – Partilha das conclusões de cada grupo + Debate geral sobre as conclusões.
Local: Auditório da BPARPD

Dinamizado por: THP + CADA

ENCERRAMENTO

18h00 – Álbio Nascimento e Kathi Stertzig, Origem Comum, Curadores

18h10 – Alexandra Andrade, Coordenadora do Centro de Artesanato e Design dos Açores

 

21h30 – CINEBAR
Local: a anunciar

Projeção de filmes
Seguida de conversa informal.

Origem Comum + A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria
Projeção de filmes de ambos os projetos sobre e com artesãos, comentados por Tiago Pereira, Álbio Nascimento e Kathi Stertzig.
Conversa com o público.

FICHA TÉCNICA

Hands On Azores (HOA)

Promotor

Secretaria Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego

Centro de Artesanato e Design dos Açores

Fórum Artes e Ofícios – Pensar o Fazer

Curadoria

Álbio Nascimento

Kathi Stertzig

Origem Comum

Assistência à Curadoria

Ana Marta Clemente (The Home Project Design Studio)

Oradores

Alícia Roselló | Duduá + Talleres Nomadas | Espanha

Célia Macedo | Celia Macedo Ceramics | Portugal

Guida Fonseca | Portugal

Helena Loermans | Lab O | Portugal

Josiane Masson | Instituto Renato Imbroisi | Brasil

Martín Azúa | Espanha

Paula Lourenço| CACO + CRIAR | Portugal

Renato Imbroisi | Instituto Renato Imbroisi | Brasil

Tiago Pereira | A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria | Portugal

Agradecimentos

Adélia Borges

Pacto Filmes (Brasil)

Missão Empresarial

Coordenação

Joana Duarte

Béhen

Participantes

Aina Carafí Navarro | Shrimps | UK

Casa de Trabalho de Nordeste | São Miguel, Açores

Cooperativa de Artesanato Senhora da Encarnação da Ribeira do Nabo | São Jorge, Açores

Joana Duarte | BÉHEN | Portugal

João Pereira e Filhos, Lda | Terceira, Açores

Luisa Cordova Wandscheer | Colville | Itália

Maria Estrada Galmez | Casa MariCruz | Espanha

 

Produção HOA

Alexandra Trindade (CADA)

Comunicação HOA

This is Ground Control

Design Gráfico HOA

Júlia Garcia – Alice’s House

Website HOA

Paulo Machado

 

O Fórum Artes e Ofícios e a Missão Empresarial Hands On Azores são ações desenvolvidas no contexto do Modamac, projeto cofinanciado pelo FEDER no âmbito do programa INTERREG MAC 2014-2020 da Comissão Europeia.

Erro da base de dados do WordPress: [Got error 28 from storage engine]
SHOW FULL COLUMNS FROM `wp_options`

Erro da base de dados do WordPress: [Got error 28 from storage engine]
SHOW FULL COLUMNS FROM `wp_options`