en-US

Centro Regional de Apoio ao Artesanato

O Site do Centro Regional de Apoio ao Artesanato (CRAA) visa, na sua essência, promover e divulgar os produtos artesanais certificados.
O Centro Regional de Apoio ao Artesanato é um serviço executivo da Vice-Presidência do Governo Regional dos Açores, ao qual incumbe a concretização da política regional nas áreas do desenvolvimento e da valorização dos produtos tradicionais, designadamente do artesanato regional e das empresas artesanais, da formação profissional e da coordenação de iniciativas multifuncionais com desenvolvimento no meio local.
O CRAA desenvolve um plano anual consistente e diversificado, atuando sobre quatro áreas que se consideram fundamentais: Investigação/Certificação, Formação, Apoio ao Artesão e Promoção. O desenvolvimento destas áreas passa pela certificação de produtos, edição de publicações, organização de exposições, promoção de oficinas e workshops e apoio aos artesãos, nomeadamente através do sistema de incentivos.

Saiba Mais

O nosso Artesanato

Bordado a matiz

O bordado típico de São Miguel caracteriza-se por dois tons de azul sobre linho em ponto de matiz. Suave e harmonioso, reflete a beleza rara das ilhas. Nele predominam motivos vegetalistas e campestres como trevos, gavinas, silvas, avencas, cravinhos e corações entrelaçados. A partir dos anos 30 do séc. XX, o bordado conquistou os mercados […]

Bordado a branco/cru

Branco e puro, o bordado terceirense revela a influência do bordado inglês e madeirense por privilegiar os pontos Richelieu e cheio. Toalhas, lençóis, fronhas, colchas e napperons são algumas das peças que compunham o enxoval das noivas da elite terceirense e que agora são a principal oferta do mercado têxtil açoriano com […]

Bordados

Bordado a palha de trigo

Como se fossem fios de ouro, a palha de trigo ou de centeio é trabalhada pela genialidade das mulheres faialenses em cima de tule branco ou negro. O elemento decorativo predominante é a espiga de trigo, embora outros elementos vegetalistas façam parte das peças requintadas ligadas à moda feminina, como vestidos de cerimónia, véus, mantilhas […]

Rendas

As rendas mais admiráveis do Arquipélago são feitas no Pico e no Faial. São de grande qualidade e de reconhecido valor artístico e etnográfico. Os seus elementos base são as “rosetas”, com formas e nomes muito diversos. É na harmonia com que as rosetas são ligadas entre si, com uma variedade de pontos, […]

Registos do Senhor Sto. Cristo

O culto do Senhor Santo Cristo dos Milagres, de grande devoção e atração, é também o mote para a criação do registo, bela peça de homenagem ao padroeiro. Foi trabalho conventual das freiras do Santuário, competentes em muitas artes manuais. Hoje é peça de interesse para muitos artesãos que, com devoção e criatividade, […]

Presépios de Lapinha

Autênticos presépios em miniatura, perpetuam a natividade de Cristo durante todo o ano. O tema central é a gruta que abriga a Sagrada Família, em torno da qual se organizam todos os outros elementos, representando cenas bíblicas ou do quotidiano através de pequenas figuras de cerâmica pintadas, fragmentos de rocha, musgo, plantas, flores e minú[…]

Miolo de Figueira

Da massa branca do miolo de ramos de figueira o artesão, com paciência e mão firme, cria belas e delicadas figurinhas típicas dos Açores. Os trabalhos mais antigos, de Euclides Rosa, estão expostos no Museu da Horta. Hoje em dia, as peças de miolo de figueira incluem motivos florais, moinhos ou barcos à vela.

Escama de Peixe

A diversidade de peixes do mar dos Açores influenciou o imaginário artístico do artesão açoriano. As escamas são limpas em várias águas e transformadas em delicadas pétalas ou folhas que, depois de recortadas à tesoura, com imensa habilidade, são compostas em conjuntos florais. Os trabalhos mais tradicionais são essencialmente flores, das […]

Olaria

Vila Franca, em S. Miguel, e Angra do Heroísmo, na Terceira, são os centros produtores que dão continuidade à olaria tradicional dos Açores. O talhão, importante reservatório de água ou de cereais noutros tempos e a talha ou bilha utilizada para transportar líquidos são agora peças muito apreciadas na decoração de […]

Faiança

A indústria cerâmica da Lagoa, que se afirma ao longo do século XIX e da qual não se podem excluir ligações à indústria cerâmica do Norte de Portugal, deu início à produção de faiança nos Açores com o fabrico em série de peças pintadas com flores e outros motivos […]

Azulejaria

A produção local de azulejo assume uma certa importância somente a partir da segunda metade do século XIX, altura em que foram fundadas as primeiras fábricas de cerâmica nas ilhas de S. Miguel e Terceira. Estes azulejos de produção local revestiam as fachadas de edifícios urbanos e as paredes das capelas em composiçõ[…]

Cerâmica Figurativa

A escultura de costumes produzida nas fábricas de cerâmica da Cidade de Lagoa, na ilha de S. Miguel, não se destinou apenas à promoção turística das ilhas açorianas, mas associou-se igualmente à tradição natalícia de “montar o presépio”, potenciando o desenvolvimento da atual indústria doméstica de figuras de presépio naquela […]

Tecelagem

A tecelagem é uma das primeiras e mais antigas indústrias tradicionais do arquipélago, assim como uma resposta eficaz às limitações causadas pela insularidade. A arte do tear, tanto em lã como em linho ou algodão, é minuciosa, morosa e exigente. As belas colchas, mantas, passadeiras de retalhos, trajes regionais, cobertores, tiras ou napperons com desenhos […]

Doçaria Regional

Queijadas de Vila Franca

De tradição secular, as queijadas da “Vila” são um doce originário do Convento de Santo André, o primeiro dos Açores da 1ª Regra de Santa Clara, edificado em 1533. Nos fins do séc. XVIII vieram para o convento da Vila freiras de origem holandesa e espanhola, que confecionavam as queijadas de acordo com uma receita […]

Bolos Dona Amélia

É um bolo de milho escuro, coberto por açúcar em pó e com um aroma intenso a canela e mel de cana, típico da ilha Terceira. Adquiriu o seu nome aquando da visita dos reis de Portugal, D. Carlos e Dona Amélia à Terceira, em 1901. Ao que se sabe, ofereceram-lhes os melhores bolos que […]

Queijadas da Graciosa

É um doce regional da ilha Graciosa, famoso em todo o arquipélago. De sabor delicado, em forma de estrela, a massa exterior apresenta-se fina e estaladiça e acolhe um recheio de ovos e leite. Durante alguns anos esta iguaria era exclusiva aos lares da Graciosa, quando ainda era conhecida por “covilhete de leite”, sendo presença […]

Espécies de São Jorge

Doce regional da ilha de S. Jorge, apresenta-se como pequenas rosquilhas de massa de hóstias, transversalmente golpeadas na parte superior, deixando entrever o recheio acastanhado. Antigamente, as espécies eram denominadas por “bichos doces”. O recheio era confecionado com pão caseiro, torrado e moído nas “atafonas”. Batia-se o pão torrado dentro de uma saca com um [&[…]

Biscoitos de Orelha

Do ponto de vista histórico e geográfico, a produção do biscoito de orelha circunscreve-se à ilha de Santa Maria, constituindo um produto de referência da gastronomia mariense. Este biscoito era presença habitual nos lares marienses, nas ocasiões festivas, como por exemplo na matança do porco, casamentos, festividades do Espírito Santo e pelo Natal, […]

Bolos Lêvedos

Por bolos lêvedos entende-se pequenos bolos de forma cilíndrica, ligeiramente adocicados, com uma massa porosa e a crosta ligeiramente tostada, cozidos sobre sertã ou chapa metálica polvilhada com farinha. Constituem uma especialidade tradicional do “Vale das Furnas”, com um impacto económico associado à abertura do Hotel Terra Nostra, em 1935, tornando-se na imagem de marca […]

Alfenim

O Alfenim é um doce feito com açúcar, água e vinagre, de antiga receita oriental e com uma longa história. Chegou à Península Ibérica pelas mãos dos árabes que lhe chamavam “al-fenid” que significa aquilo que é branco, alvo. Os espanhóis levaram-no até ao México e os portugueses até ao Brasil. Do continente passou para […]

Fibras Vegetais

Capacharia

A agricultura fornecia, indiretamente, mas em grande abundância, matéria-prima para os mais diversos artefactos, uns de natureza funcional, como os capachos. Paralelamente à cestaria, esta produção artesanal desempenhou, inicialmente, uma função complementar à agricultura e adaptou-se às necessidades domésticas. Os Capachos de folha de milho, de palha de trigo, de espadana, de junco ou até […]

Empalhamento

O trabalho do vime não se restringiu à produção de cestos. No Século XIX, surgiu na confeção de mobiliário, para se adequar à moda romântica das moradias de veraneio e dos jardins de Inverno. O empalhamento é outra técnica aplicada ao vime e complementar à atividade de um cesteiro. Com técnicas similares, utilizando os mesmos […]

Chapelaria

Produzida segundo as técnicas da cestaria, apresenta-se como um artefacto cheio de simbolismo, evidenciando uma atividade própria, identificadora da sua origem, durante muito tempo, confinada à ilha do Pico e generalizada às demais ilhas, em meados do século passado, quando começou a ser exportada para a América. Uma das atividades que caracterizou a freguesia de […]

Cerâmica

Cestaria

A arte de trabalhar as fibras vegetais revela um entendimento da terra, do clima, dos ciclos vegetativos, das plantas e suas características. Revela, também, saberes antigos e técnicas transmitidas de geração em geração. Os açorianos sempre procuraram dar resposta aos desafios do seu quotidiano, demonstrando imaginação e engenho na aplicação e transformaçã[…]

Confeção de Bonecas

Alguns elementos vegetais que foram introduzidos nos Açores, como o milho, o trigo e o dragoeiro, deram origem à produção de artefactos de natureza decorativa, como as flores e as bonecas. Para a confeção das bonecas de folha de milho, as folhas são escolhidas, secas e, quando necessário, ripadas e, por vezes ainda, tingidas. Existe, […]

Fechaduras de Madeira do Corvo

Estas fechaduras, produção de cariz tradicional na mais pequena ilha do arquipélago, associada à vida rural, algumas ainda existentes, sobretudo nas casas de abrigo da faina agrícola, constituem um produto emblemático do artesanato local que manteve a sua relevância ao longo dos séculos, tornando-se indissociável da história da Região e dos Corvinos. […]

Fabrico de Mobiliário de Vime

O empalhamento é outra técnica aplicada ao vime e complementar à atividade de um cesteiro. Com técnicas similares, com os mesmos materiais e ferramentas, se forram garrafas de vidro, assentos de cadeiras e uma série de peças de mobiliário, criadas a partir de uma estrutura de madeira ou metal que depois é forrada e ornamentada […]

Viola da Terra

A ‘viola de 12 cordas’, ao chegar aos Açores, no século XV, assumiu caraterísticas comuns em todas as ilhas, mantendo os seus traços primitivos, mas foi adquirindo afinações e particularidades diferenciadas. Assim, transforma-se no mais típico instrumento musical do arquipélago dos Açores, desempenhando ao longo dos tempos um papel importante nos cantares festivos, […]

Boina de Lã do Corvo

A boina do Corvo, cuja origem se perde no tempo, mas a produção resiste até aos nossos dias, é feita em tricot, com um conjunto de 5 agulhas, originalmente em lã local tingida de azul-escuro, com uma barra estreita (grega), trabalhada com o tradicional branco natural. Em alguns casos, na orla é aplicada uma pala […]

Bordado a Ouro

O bordado a ouro está associado às principais festividades religiosas dos Açores, designadamente ao culto do Espírito Santo e ao culto do Senhor Santo Cristo dos Milagres, na medida em que integra a ornamentação dos mais importantes e simbólicos acessórios como as bandeiras, estandartes e paramentos. Em termos museográficos, o espólio do Convento […]

Outras Artes e Ofícios Não Certificados

Os Açores dispõem de uma riqueza de criações artesanais tanto ligadas a atividades económicas específicas como à arte popular e à imaginação. De facto são inúmeras e variadas as obras de interesse e qualidade produzidas pelos nossos artesãos. No meio de uma diversidade de técnicas e de materiais utilizados, enleva-se a autenticidade […]

Destaques

Exposição CoMTradição – João Pereira

Workshop de Storytelling e Design Visual – ONLINE

Workshops Raízes – Festival infantojuvenil de artesanato

Hora do Ofício em Casa (Vídeos Tutoriais)